quinta-feira, 29 de novembro de 2007

Todos nós temos problemas...

Todos nós temos problemas...

A diferença é que os meus são maiores.

Imagina acordar certo dia e descobrir que você na verdade não é filho do seu pai, mas de um espírito divino que trepou com sua mãe?

Foda, mas pra ser sincero nunca engoli essa história também, com todo respeito que sinto pela minha mãe, mas tenho certeza que meu pai ostenta um enorme par de chifres.

Minha infância foi normal, eu corria pelos campos, matava passarinho, espiava as meninas tomando banho peladinhas...

Ou José acreditava demais em Deus ou era burro demais, porque ele só queria me levar para o “caminho do senhor”... Cansado dessa história eu fugi de casa.

Fugi aos 13... Eu não conhecia nada do mundo, logo aceitei certas ervas que me ofereceram, aquilo era bom e me deixava bem... Mas aquela droga era cara e eu precisava de mais, longe dos meus pais a única forma de conseguir dinheiro foi vendendo meu corpo... Porcos imundos abusaram de mim, eu era apenas uma criança, logo aprendi as durezas da vida e tudo de pior e melhor que ela pode oferecer.

Aos 30 voltei pra casa, minha mãe ainda estava com aquela idéia de que eu era especial e deveria pregar a graça de Deus meu pai.

Acabei aceitando a idéia enfim...

Mas não é que a idéia era mais lucrativa do que eu poderia imaginar?

As pessoas começaram a me adorar, era só eu fumar um, começar a falar qualquer viagem que vinha a minha cabeça e pronto, logo multidões se formavam para me ouvir.

Durante muito tempo usei todo tipo de drogas, e precisava sempre de mais, minhas experiências na prostituição deixaram marcas em mim, já não sentia mais prazer com mulheres... Minha fama e prestigio não me proporcionaram um homem, mas sim 12 homenzarrões que eram fiéis a mim em tempo integral, era o paraíso... Orgias sem fim, qualquer droga sempre a minha disposição e multidões me adorando.

Mas tudo acabou, essa história tinha ido longe demais mesmo.

Numa bela noite tomei o último grande porre de vinho com meus homens...

E hoje estou aqui, pregadão.

2 comentários:

  1. Camila11:03 AM

    nossa *-*
    estou sem palavras...

    realmente, vc escreve muito bem :D
    seu texto está ótimo... e o melhor de td, eh sua crítica, através do humor, de uma cultura que nos cerca... ainda mais considerando que vc a conheça bem, por td que li xD

    nossa, muito bom, John...
    excelente trabalho *-*
    parabéns ;D

    ResponderExcluir
  2. Sabe o engraçado de ler O Oráculo? Perceber que não apenas teu modo de escrever e, realmente, VOCÊ tenha mudado, mas também... Definitivamente, meus comentários eram RIDÍCULOS! hehe





    Não que tenham deixado de ser... Apenas é outra Camila, em outra época. Ainda bem.

    (como vc não tinha apagado ainda isso?)

    ResponderExcluir